15/10/2020

Vacinas para mulheres: quais são as mais importantes?

Ao ler este blog descubra qual é importância da vacinação contra a HPV e quais são as mais importantes vacinas para as mulheres.

Todo mês de outubro, muitos países do mundo organizam ações em prol da saúde da mulher, instruindo sobre a prevenção e o combate ao câncer de mama e ao câncer de colo do útero.

Esse período marcado pelos cuidados com a mulher é denominado Outubro Rosa. Seu principal objetivo é alertar a população ao fato de que uma das melhores formas de prevenção ao câncer é o diagnóstico precoce.

No entanto, no caso do câncer de colo do útero, há ainda outra forma muito poderosa de evitar a doença: a vacinação contra o HPV. Afinal, os subtipos 16 e 18 do papilomavírus humano (HPV) são responsáveis por cerca de 70% dos casos desse tipo de câncer.

Mas a proteção da vacina contra o HPV não pára por aí, sendo uma das mais importantes imunizações que uma mulher precisa ter, principalmente com a vacinação na adolescência.

E ela não é a única vacina importante para mulheres! Aproveitando os cuidados do Outubro Rosa, queremos compartilhar com você as principais imunizações pelas quais uma mulher precisa passar durante sua vida.

Confira as principais vacinas para mulheres:

Vacinas para mulheres: quais as mais importantes? | Vaccine

HPV

Como já mencionamos, a imunização contra o papilomavírus humano é importantíssima para evitar o câncer de colo do útero. Além disso, a vacina também protege contra outros efeitos do HPV, como:

  • Verrugas genitais;
  • Lesões;
  • Outros tipos de câncer, como de garganta e de ânus.

O vírus é contagioso e sua principal forma de transmissão é através do ato sexual. Contudo ele também pode ser transmitido por outros tipos de contato com a pele, ou mesmo por objetos, em casos mais raros.

É por isso que a imunização é tão importante, e, idealmente, deve envolver a vacinação na adolescência. De fato, a vacina é mais eficiente se for tomada antes do início da vida sexual da menina. Por isso, a recomendação do Ministério da Saúde é que a imunização seja feita entre os 9 e os 14 anos.

A vacina é contraindicada para mulheres gestantes. 

Tríplice viral 

A vacina tríplice viral também é parte essencial do calendário de vacinação para mulheres, para proteger contra três doenças: sarampo, caxumba e rubéola.

Para mulheres com até 49 anos, a vacinação deve ser feita em um ou duas doses, com um intervalo mínimo de quatro meses. O número de doses vai depender do histórico vacinal da mulher, pois é importante receber pelo menos duas doses da vacina no decorrer da vida.

Como a vacina contém vírus atenuados, ela não é indicada para gestantes. De preferência, ela deve ser aplicada pelo menos um mês antes do início da gravidez.

Depois dos 49 anos, a mulher deve receber apenas uma dose única. 

Temos um conteúdo especial sobre vacinações para pessoas a partir da terceira idade. Confira: Vacinas para idosos: quais são e por que vacinar na melhor idade?

Hepatites A e B

A vacinação contra as hepatites A e B pode ser feita separadamente ou em conjunto. 

No caso da vacinação contra a hepatite A, é preciso tomar duas doses, com intervalo de 6 meses entre eles. A recomendação é aplicar a vacina antes da gestação, mas se a imunização não tiver sido feita antes, não há contraindicações para gestantes. O importante é avaliar a situação com seu médico.

Já a hepatite B é fortemente recomendada durante a gestação, pois há fortes chances de a mãe passar a doença para o feto. O esquema vacinal envolve três doses, com intervalos de apenas um mês entre a primeira e a segunda dose. Para a terceira, é preciso aguardar seis meses.

A vacinação para A e B é muito semelhante: são 3 doses com o mesmo intervalo da vacina contra a hepatite B. Contudo, o uso durante a gestação deve ser avaliado em cada situação.

Varicela

A vacinação contra a varicela também é muito importante e deve ser tomada em duas doses, com intervalo de dois meses entre elas. 

A imunização deve ser feita a partir dos 13 anos, mas é contraindicada para gestantes. O ideal é tomá-la no mínimo um mês antes de engravidar. 

Tríplice bacteriana

A vacina tríplice bacteriana protege contra difteria, tétano e coqueluche. A imunização envolve um esquema de três doses e requer um reforço a cada 10 anos. 

Algumas das variedades são muito importantes para gestantes, mas é essencial conversar com médicos ou com profissionais da saúde para saber como deve ser feita a vacinação nesses casos.

Veja no nosso blog quais são as imunizações recomendadas para o período de gestação: Quais as vacinas essenciais para a gravidez?

Influenza (gripe)

A vacinação contra a gripe é indicada para todos, com dose única todos os anos!

A recomendação para mulheres é a mesma que para os demais públicos, mas ela é ainda mais importante caso a mulher esteja na terceira idade ou seja gestante. Ambos são grupo de risco, que podem sofrer mais com as complicações da infecção pelo vírus.

Febre amarela

A vacinação contra a febre amarela deve ser feita a cada 10 anos, principalmente por quem vive ou vai se deslocar para áreas endêmicas da doença.

Geralmente, essa imunização é contraindicada para gestantes. Contudo, se a mulher estiver em uma região endêmica da doença, ou se for viajar para uma área assim, é necessário avaliar a relevância da vacina.

Meningocócicas

Essas são importantes imunizações para mulheres, para proteger dos riscos da meningite. Contudo, há diferentes vacinas contra a doença. Confira mais no nosso blog. Meningite: o que você precisa saber sobre a vacina?

Vacinas para toda a família

Vacinas para mulheres: quais as mais importantes? | Vaccine

A Vaccine está em Curitiba, Pato Branco e Francisco Beltrão, oferecendo vacinações para todas as idades e também com diferenciações para viajantes ou vacinas mais numerosas para empresas.

Você pode saber mais sobre vacinações em qualquer idade conferindo nosso site. Além disso, você também pode conferir nosso calendário vacinal para crianças. É só clicar aqui embaixo:

Compartilhar
Foto de Leandro Andriani

por Leandro Andriani

Farmacêutico e Bioquímico, graduado no ano de 1995 atua no ramo de imunização a mais 20 anos. Vasta experiência no mercado farmacêutico. E sócio proprietário da Clínica Vaccine